Tecnologia

Por que as taxas de transferência variam ao copiar um arquivo do PC para o pendrive e vice-versa?

As taxas de transferência variam entre USB para PC e vice-versa devido às diferentes velocidades de leitura/gravação de unidades de disco rígido (HDDs) e pen drives (SSD).

É óbvio que o desenvolvimento do Computador Pessoal (PC) acelerou o avanço da humanidade. As enormes quantidades de dados produzidos também levaram ao surgimento de dispositivos de armazenamento. Afinal, a criação de grandes quantidades de dados só seria benéfica se pudesse ser armazenada e trocada com outras pessoas.Além disso, isso estimulou o desenvolvimento de tecnologias de armazenamento e transferência de dados. Como essas tecnologias evoluíram continuamente, muitos parâmetros, como velocidade de transferência de dados e quantidade de dados armazenados, também mudaram. Quando dois dispositivos com tecnologias diferentes são conectados, surgem diferenças nas velocidades de transferência.

Os dados são transferidos como uma sequência de 0s e 1s. Cada 0 ou 1 é chamado de bit (Crédito da foto: wavebreakmedia/Shutterstock)

Uma breve visão geral das tecnologias de armazenamento de dados

Os dispositivos de armazenamento de dados mais antigos eram os cartões perfurados, que deram lugar às fitas magnéticas e aos dispositivos semicondutores. A maioria dos dispositivos de armazenamento pode ser classificada nas seguintes categorias: unidades de disco rígido (HDDs), unidades de estado sólido (SSDs) e discos ópticos. HDDs e SSDs são os dispositivos de armazenamento mais utilizados.

A maioria dos PCs desktop usa drives de armazenamento magnético para armazenar dados, enquanto pendrives, cartões de memória e discos rígidos externos usam memória flash.

Para responder à pergunta, vamos primeiro entender o básico sobre cada dispositivo. 

1) HDDs: Tecnologia de Armazenamento Magnético

HDDs store data in magnetic regions on a disk-shaped ferromagnet called a ‘platter’. It rotates at thousands of rounds per minute. The platter is connected to two tiny electromagnets called ‘heads’. One head reads (R) the stored data (detects the orientation of the magnetic field) and the other head writes (W) data (changes the orientation of the magnetic field) on the platter.

Both the R/W heads are connected to a common arm called the ‘actuator’. Reading and writing data requires mechanical motion of the actuator arm over the platter. The sensors on the heads manipulate the magnetic field on the platter below them.

 

Illustration of HDD (Photo Credit : Surachit/Wikimedia Commons)

2) Universal Serial Bus (USB) Flash Drives: SSD Storage

USB drives use Flash Memory. Each memory cell consists of one Floating-Gate Metal-Oxide Semiconductor Field-Effect Transistor (FGMOS). This transistor has three terminals, called the Source, Gate and Sink, which can be connected directly to a voltage source.

In addition, there is another Gate called a Floating Gate (FG), which can’t be connected directly to a power source. Voltages are applied to the Source, Sink and Gate in such a manner that the electron concentration on the Floating Gate (FG) can be manipulated.

If FG contains electrons, then the bit is assigned a value of 0. If FG lacks electrons, then the bit is assigned a value of 1. The flow of electrons is instantaneous.

Memory Cards and Pendrives are examples of SSDs (Photo Credit : Pixabay)

HDD vs SSD: velocidade de transferência de dados entre dispositivos

Tendo lido sobre armazenamento de dados e o mecanismo de leitura/gravação de ambas as tecnologias, vamos comparar os dois.

HD SSD
Os HDDs têm um tempo de R/W mais lento em comparação com os SSDs devido ao movimento físico do braço do atuador necessário para posicionar as cabeças de R/W (tempo de busca) para manipular os bits no prato. Como os SSDs não possuem partes móveis e dependem do movimento de elétrons de e para o FG, sua velocidade é mais rápida que os HDDs.

 

Além disso, para um determinado dispositivo, a velocidade de leitura (R) é geralmente maior que a velocidade de gravação (W).

Assim, leva menos tempo para ler dados de um dispositivo do que para gravar dados no mesmo dispositivo. A velocidade de transferência de dados em um sistema é limitada pelo processo mais lento no link. Cada dispositivo deve realizar duas operações: ler dados na origem e gravar dados no destino. 

Suponha que dois dispositivos, A e B, estejam conectados para que um arquivo seja transferido entre eles. As principais variáveis ​​em jogo são:

  1. Velocidade de leitura (R) de A
  2. Velocidade de gravação (W) de B

Os dados presentes em A são lidos pelo computador a uma velocidade R de A e depois escritos em B à velocidade W de B. Surgem os seguintes casos:

CASO 1 : Se R velocidade A > W velocidade de B, então a velocidade de transferência de arquivos é limitada pela velocidade W de B. 

CASO 2 : Se R velocidade A < W velocidade B, então a velocidade de transferência de arquivos é limitada pela velocidade R de A. 

CASO 1 CASO 2
Suponha que o dispositivo A seja um HDD e o dispositivo B seja um SSD. Suponha que o dispositivo A seja um SSD e o dispositivo B seja um HDD.
Como a velocidade R do HDD < W velocidade do SSD, a taxa de transferência de dados é limitada pela velocidade R do HDD. Como R speed SSD>W velocidade do HDD, a taxa de transferência de dados é limitada pela velocidade W do HDD.

Conclusão

Dos casos acima, fica claro que a transferência de um arquivo do PC (HDD) para o USB Flash Drive (SSD) ou vice-versa é limitada pela velocidade R/W mais lenta do HDD.

Além disso, dado que a velocidade W do HDD é mais lenta que sua própria velocidade R, gravar dados em um HDD leva mais tempo do que ler dados nele.

Decida sobre a funcionalidade básica, custo e velocidade de ambos os dispositivos antes de comprar (Crédito da foto: AlexLMX/Shutterstock)

Esta é a razão por trás da aparente eternidade necessária para copiar seu jogo favorito de um pendrive para o seu PC!

Compartilhar
Gilvan Alves

25 Anos de idade, Técnico em Rede de Computadores, Sempre em busca de aprender algo novo todos os Dias!

Este site usa cookies.