Comportamento

Por que os abraços nos fazem felizes? E por que algumas pessoas não gostam de abraços?

Abraços ou quaisquer outros sinais físicos de afeto causam a liberação do hormônio oxitocina no cérebro. A oxitocina é responsável por aumentar a confiança e os laços sociais entre as pessoas. A oxitocina também diminui a ansiedade e o medo, suprimindo a ação da amígdala. É por isso que os abraços nos fazem sentir seguros e confortados.

Receber um abraço de alguém que você ama pode levantar seu humor instantaneamente. O ato de abraçar nos faz sentir amados, confortados e menos sozinhos no mundo. Mas o que há neste estranho ato de pressionar nossos corpos e envolver nossos braços um no outro que faz com que este mundo, às vezes duro, pareça suportável?

Por que nós abraçamos?

Antes de abordar a questão de por que abraços são tão bons, faz sentido investigar por que abraçamos em primeiro lugar.

Hipótese de vínculo social

Uma hipótese que foi levada adiante é a hipótese do “vínculo social”. O ato de estar fisicamente perto de outra pessoa pode nos ajudar a formar laços sociais e emocionais com essa pessoa. Quando você considera que os humanos, e muitos dos outros animais que se abraçam, vivem em grupos sociais, isso sugere que essa ação é importante para a ligação uns com os outros. Essa ligação leva a confiar nos membros do seu grupo.

Apenas alguns vínculos sociais por meio de abraços. (Crédito da foto: kavastudio / Shutterstock)

Abraçar não é algo que apenas os humanos fazem. Os primatas, nossos parentes mais próximos, também criam laços sociais por meio de ações como abraços e carinhos. Arganazes da pradaria, uma espécie de roedor, também são conhecidos por confortar uns aos outros por meio do toque físico.

Abraços e outras ações fisicamente íntimas permitem que os indivíduos desenvolvam essa confiança. Essa ligação social se estende a encontrar um parceiro para acasalar. Se você não conseguir encontrar um parceiro para se reproduzir, não será capaz de ter filhos, o que põe em risco a sobrevivência de seus genes. E lembre-se, todos nós estamos, até certo ponto, programados para nos reproduzir.

Já que abraçar torna a reprodução possível e desde que confiar em seus companheiros de grupo social significa que eles provavelmente vão te apoiar no caso de você se envolver em qualquer problema que ameace sua vida, o ato de abraçar é evolutivamente vantajoso.

Sabendo de tudo isso, voltamos à nossa pergunta original – por que os abraços são bons? Por causa de um certo hormônio que impulsiona nossos modos de abraçar!

Hugging libera oxitocina – o hormônio do carinho – no cérebro

A oxitocina tem alguns apelidos, principalmente o “hormônio do amor” e o “hormônio do abraço”. Esse hormônio e neurotransmissor (a substância química que ajuda nossos neurônios a se comunicarem) é um pequeno peptídeo de nove aminoácidos (os blocos de construção da vida). É liberado por uma pequena glândula localizada no cérebro, chamada glândula pituitária posterior.

Estrutura da oxitocina (crédito da foto: ytta design / Shutterstock)

Suas funções mais simples são facilitar o parto (a palavra oxitocina na verdade significa “parto rápido” quando traduzida do grego) e a amamentação. No entanto, o que é mais interessante para nós, a oxitocina também está ligada a uma gama de sensações de prazer amoroso, como orgasmos, vínculos sociais, conexões com os pais e pares (ou encontrar um parceiro). Para ser menos científico, a oxitocina nos ajuda a encontrar o amor, a amar alguém e a desfrutar o amor que recebemos em troca! Agora, o apelido faz um pouco mais de sentido …

Como a oxitocina afeta o corpo e o cérebro

A oxitocina afeta o corpo e o cérebro de várias maneiras. Como estamos interessados ​​apenas em como os abraços são mais prazerosos, restringiremos nossa discussão a esse aspecto.

A oxitocina atua por meio de seus receptores. Depois que a oxitocina é liberada da glândula pituitária para o cérebro, ela se liga aos receptores de oxitocina. Você pode pensar nessa interação hormônio-receptor como duas peças complementares de um quebra-cabeça que se encaixam. A oxitocina só se liga ao seu receptor correto.

Os receptores de ocitocina estão presentes nos neurônios de muitas regiões diferentes do cérebro, como o hipotálamo, muitas áreas do sistema límbico e em áreas do tronco cerebral. Quando as moléculas de oxitocina se ligam a receptores nos neurônios presentes nessas regiões do cérebro, elas fazem com que os neurônios disparem, o que sinaliza outras partes do cérebro e do corpo para fazer certas mudanças.

Curiosamente, os “efeitos de abraço” da oxitocina não vêm do que ela ativa, mas sim do que ela suprime. A oxitocina suprime a atividade de várias regiões do cérebro, uma das quais é a amígdala.

A amígdala é uma pequena parte do cérebro em forma de amêndoa localizada no sistema límbico. Ele controla muitas funções, mas é amplamente responsável por nosso medo, agressão, recompensa e desejos sexuais.

Ao suprimir a amígdala , a oxitocina reduz nossos sentimentos de medo e ansiedade. Essa falta de ansiedade nos faz sentir seguros e amados. Alguns descreveriam isso como um sentimento de felicidade.

Um estudo publicado em 2004 na revista Biological Psychology descobriu que, quando os parceiros se abraçam, isso causa uma liberação de ocitocina que reduz a pressão arterial, o que nos faz sentir mais calmos. A diminuição da pressão arterial também é boa para a saúde cardiovascular.

Um estudo de 2016 descobriu que abraçar reduz o estresse e pode ajudar a diminuir a probabilidade de infecção. Sabe-se que o estresse enfraquece o sistema imunológico, o que aumenta a probabilidade de adoecer. No entanto, o suporte social percebido, expresso por meio de abraços, pode diminuir o estresse.

Por que algumas pessoas não gostam de abraços

Embora tenhamos falado muito sobre como os abraços são fantásticos, não são para todos! Para algumas pessoas, os abraços simplesmente não são confortáveis ​​ou totalmente desagradáveis. Afinal, a vida não é um negócio único para todos.

Para os não-abraços, a questão pode se resumir à infância. Crianças de famílias em que abraços ou demonstrações físicas de afeto não eram comuns, ou até mesmo desaprovadas, também podem achar os abraços desconfortáveis ​​em sua vida adulta. As crianças aprendem a linguagem social por meio de seus pais e familiares. Quando os pais brincam com seus filhos, os abraçam e acariciam, tudo leva a um vínculo positivo e a uma criança menos ansiosa.

A cultura também é importante nesse aspecto. Em algumas culturas, é comum exibir sinais de afeto físico. Em 1966 , o eminente psicólogo Sidney Jourard contou quantas vezes os casais se tocaram durante uma conversa em San Juan ( Puer to Rico), Londres, Paris e Gainesville (Flórida). Ele escreve em seu artigo de pesquisa intitulado ‘Um Estudo Exploratório de Acessibilidade Corporal ‘, “as ‘pontuações’ foram, para San Juan, 180; para Paris, 110; para Londres, 0; e para Gainesville, 2. ”

Em certas situações, simplesmente não é apropriado abraçar alguém. Gostamos apenas de receber abraços de pessoas que conhecemos ou podemos querer conhecer de uma forma emocionalmente íntima. Assim, um abraço de um querido amigo ou colega que conhecemos há algum tempo pode ser bem-vindo, mas um abraço de um banqueiro que aprova seu empréstimo provavelmente nos faria sentir mais desconforto do que confiança.

Simplesmente conhecer uma pessoa não é suficiente para entrar na “coisa real”. É sempre melhor obter consentimento. Pergunte a quem você deseja abraçar se ele seria bem-vindo. Se eles disserem sim, vá em frente e dê-lhes um abraço apertado de cortar as costelas e desfrute das boas sensações que começam a fluir!

Compartilhar
Gilvan Alves

23 Anos de idade, Técnico em Rede de Computadores, Sempre em busca de aprender algo novo todos os Dias!

Este site usa cookies.