Curiosidades

Quantas Galáxias Existem?

  • Existem quatro tipos de galáxias: elíptica, espiral, espiral barrada e irregular.
  • A maioria das galáxias está entre 1 a 100 parsecs de distância e 3 a 300 anos-luz de diâmetro.
  • Antes estimado em 200 bilhões, o número de galáxias conhecidas agora é estimado em 2 trilhões.
O universo é vasto, com novas evidências surgindo atestando seu tamanho à medida que a tecnologia continua a evoluir ao longo do tempo. Estudos do universo primitivo começam com a teoria do Big Bang e afirmam que durante a recombinação, a formação de hidrogênio e hélio cerca de 300.000 anos após o Big Bang, as flutuações na densidade criaram estruturas maiores, fazendo com que a matéria bariônica se condensasse em halos de matéria escura e fria. que então se transformaria em galáxias.Hoje, estima-se que o universo observável contenha mais de dois trilhões de galáxias, um aumento dos anteriormente considerados 200 bilhões que se pensava existir com base em imagens de dados de meados da década de 1990 relatados do Hubble Ultra Deep Field, que revelou uma série de galáxias fracas. A mudança no número é baseada em dados estudados por uma equipe da Universidade de Nottingham, no Reino Unido, que descobriu que provavelmente havia dez vezes mais galáxias no universo primitivo do que existem agora. Muitos deles eram pequenos e escuros e foram absorvidos por galáxias próximas maiores.

Os novos dados foram derivados de imagens do Hubble no espaço profundo, que foram transformadas em imagens 3-D para permitir medições precisas das galáxias como elas existiram ao longo da história do universo. Algumas observações foram feitas com base em modelos matemáticos que permitiram à equipe concluir onde podem existir galáxias que não podem ser vistas com a tecnologia moderna. Com esse conhecimento, a equipe determinou que deve haver até 90% mais galáxias que podem estar muito fracas ou muito distantes para serem vistas com os telescópios disponíveis hoje.

Quais São Os Diferentes Tipos De Galáxias?

Existem quatro categorias principais de galáxias, que são classificadas por sua morfologia visual: elíptica, espiral, espiral barrada ou irregular. Em alguns casos, as galáxias são separadas em subcategorias. 

Andromeda M31 é uma galáxia espiral. Crédito da imagem: Robert Eder Astronomy / Shutterstock

O tipo mais comum é a galáxia espiral, com até 77%, incluindo a galáxia de Andrômeda . Cerca de dois terços delas também têm uma estrutura de barra e, portanto, são categorizadas como galáxias espirais barradas, como a Via Láctea. Galáxias espirais são feitas de um disco plano giratório e braços espirais, que podem se mover a velocidades de centenas de quilômetros por segundo. Eles podem ser subcategorizados de acordo com o aperto de suas espirais e o tamanho da protuberância em seu centro, geralmente considerada como contendo um buraco negro.

Elíptica de dois anéis é o tipo mais raro de galáxia no universo, com apenas cerca de 0,1% das galáxias estimadas para compartilhar esta estrutura, muitas vezes referida como galáxia do tipo Hoag. Galáxias elípticas regulares são mais comuns: cerca de 10 a 15% das galáxias no Superaglomerado de Virgem, onde existe a Via Láctea, são elípticas, notáveis ​​por sua aparência turva em comparação com as galáxias espirais. Galáxias elípticas são mais alongadas e esféricas por natureza e não têm o mesmo núcleo central que o tipo espiral. No entanto, eles tendem a ser mais brilhantes no centro e mais opacos em direção às bordas externas. As maiores de todas as galáxias tendem a ser elípticas gigantes, que podem medir até um milhão de anos-luz de diâmetro e conter um trilhão de estrelas ou mais.

Na maioria das vezes, as galáxias irregulares são muito pequenas e juntas representam cerca de 25% das galáxias do universo conhecido. Estes são considerados irregulares devido à sua falta de forma distinta: sem protuberância central definitiva, braços ou discos espirais, mas como outros tipos de galáxias, eles estão em constante movimento. Eles tendem a ser elípticos ou espirais, mas foram distorcidos pela atração gravitacional de galáxias vizinhas maiores.

Apesar dos avanços tecnológicos dos últimos 30 anos, ainda há muito que não sabemos sobre o universo. Existe vida em uma das muitas, muitas galáxias com as quais compartilhamos este estado vasto e expansivo? Talvez aprendamos a resposta a essa pergunta ainda em vida. 

Compartilhar
Gilvan Alves

23 Anos de idade, Técnico em Rede de Computadores, Sempre em busca de aprender algo novo todos os Dias!

Este site usa cookies.