Curiosidades

Como os medicamentos ‘sabem’ para onde ir?

Os Medicamentos são produtos químicos. Quando você engole uma pílula, o sistema digestivo absorve os produtos químicos do medicamento para a corrente sanguínea. A partir da corrente sanguínea, ele passa pelo fígado e pode afetar o órgão pretendido.Está com dor de cabeça? Pegue um Advil e voila ! Só assim, a dor de cabeça terá ido embora. Sofrendo de gases? Não precisa ter medo, Tums está aqui!

Essa é basicamente a magia da medicina moderna – algo para consertar tudo – mas você já se perguntou como a aspirina sabe que você está com dor de cabeça e não diz, dor muscular ou outra coisa? Alerta de spoiler: não!

Embora possa parecer que nossas pílulas se concentram em nossa dor e a curam com rápida eficiência, na realidade, elas não são tão avançadas. Essas pílulas ou medicamentos não têm ideia para onde ir depois de tomá-los.

Qual é a rota dos comprimidos no corpo?

Os medicamentos sob a forma de comprimidos, pílulas ou líquidos começam a sua jornada ao serem engolidos. Em seguida, eles viajam através do intestino, onde são decompostos e absorvidos pela corrente sanguínea. Uma ‘via’ especial chamada veia porta hepática leva o conteúdo do intestino delgado para o fígado através do sangue.

No fígado, a pílula é posteriormente decomposta em seus componentes de drogas e liberada de volta na corrente sanguínea. Como todos os órgãos e tecidos do corpo são supridos de sangue, a droga vai a toda parte, mas isso não significa que vai agir em toda parte.

A jornada de uma droga (Crédito da foto: Mike Scivit / Wikimedia Commons)

Ligação ao receptor alvo

Os medicamentos são essencialmente químicos. Esses produtos químicos são projetados de tal forma que se ligam apenas a certas moléculas de proteína do corpo, conhecidas como receptores. Existem muitos tipos diferentes de receptores que podem estar presentes na superfície celular ou mesmo dentro dela. Cada tipo de receptor tem uma forma distinta; você pode pensar neles como fechaduras, com cada tipo de fechadura tendo uma chave exclusiva.

Nesse caso, o remédio é a chave. O medicamento viaja por todo o corpo e liga-se à fechadura (receptor) caso se encaixe.

Por exemplo, Advil contém ibuprofeno, que é um medicamento para a dor. O ibuprofeno se agarrará a todos os receptores de dor que encontrar ao passar. Somente depois de se ligar a esse alvo é que a droga pode realizar seu trabalho.

O ibuprofeno entra na célula e inicia as reações químicas que, em última análise, produzem o efeito desejado. Impede que o sinal da dor alcance os nervos, no caso dos analgésicos.

No caso dos beta-bloqueadores (medicamentos usados ​​para controlar a hipertensão ), eles se prendem ao receptor beta (localizado nas células do coração, vasos sanguíneos e pulmões) e bloqueiam a ligação da adrenalina ao mesmo receptor. Isso evita que a adrenalina atue na célula cardíaca e eleve a pressão arterial, conforme mostrado a seguir.

 

Mecanismo de ação dos beta-bloqueadores (Crédito da foto: Mogsan1
/ Wikimedia Commons)

Nada disso poderia ter acontecido sem a ligação da droga ao seu receptor-alvo. No entanto, esse sistema natural não é à prova de falhas.

Às vezes , os medicamentos podem se ligar a outros receptores além do receptor-alvo, especialmente se os dois tiverem formato semelhante. É como quando você acena para alguém de longe, pensando que é seu amigo, apenas para se aproximar e descobrir que é um completo estranho.

Infelizmente, neste caso, a onda age mais como um aperto de mão, pois a droga se liga ao alvo errado e desencadeia uma reação em cadeia, resultando em efeitos colaterais indesejados.

O que acontece em caso de efeitos colaterais?

Os medicamentos devem ser tomados em uma determinada dosagem. Se ingerido em quantidades menores do que a dosagem ideal, pode não se ligar ao receptor-alvo. Nesse caso, o medicamento será completamente inútil, pois o medicamento não pode realizar sua função.

Em contraste, quando os medicamentos são tomados em quantidades maiores do que a dosagem prescrita, é mais provável que eles se liguem a mais do que apenas os receptores-alvo, causando reações inesperadas conhecidas como efeitos colaterais.

Cada medicamento tem uma lista conhecida de efeitos colaterais comuns, como dores de estômago, sonolência, boca seca, etc., todos mencionados no rótulo. Apenas em casos graves esses efeitos colaterais resultam em hospitalização.

Portanto, administrar a dosagem correta de um medicamento é muito importante para sua eficácia.

Prescrição de medicamentos e frasco rotulado (Crédito da foto: Mr Doomits / Shutterstock)

No entanto, para certos casos, como drogas quimioterápicas, os efeitos colaterais são inevitáveis. As drogas quimioterápicas são projetadas para atingir as células cancerosas de rápido crescimento. Infelizmente, junto com as células cancerosas, eles também podem atacar outras células que se dividem rapidamente, como as células ciliadas, razão pela qual a queda de cabelo é um efeito colateral da quimioterapia.

A administração local de medicamentos pode diminuir as chances de efeitos colaterais. Por exemplo, um creme antibacteriano para a pele pode ser usado para tratar uma infecção de pele topicamente. No entanto, essa especificidade não é uma solução viável para todas as doenças e infecções.

Drogas inteligentes tornam os remédios mais seguros e eficientes

Os pesquisadores estão trabalhando no desenvolvimento de ‘drogas inteligentes’, que são como carros com GPS que viajam para um local de destino desejado sem falhar.

Em outros casos, os medicamentos podem permanecer inativos perto do local de destino até o momento de ativá-los. Como os medicamentos geralmente são excretados do sistema após se desprenderem do receptor-alvo, eles precisam ser tomados regularmente. No entanto, por sermos capazes de controlar a ativação do medicamento, podemos manter um medicamento no nível de dosagem desejado no corpo, evitando assim a necessidade de administração frequente.

Em um estudo , os pesquisadores detectaram sinais químicos no corpo que iniciam a liberação do medicamento, dando origem a um sistema de entrega de medicamento totalmente automatizado que fornece a dose certa, na hora certa, em qualquer parte do corpo, com especificidade e eficiência.

Microchips

Outro estudo analisou microchips colocados sob a pele, medula espinhal ou no cérebro para administrar com precisão um medicamento. Os microchips têm minúsculos poços carregados com uma droga, como quimioterapia ou analgésicos, e então cobertos com tampas de folha de ouro. A droga é liberada com a aplicação de uma corrente elétrica de um volt que dissolve as tampas e libera a droga no sistema.

Microagulhas

Microagulhas são outra invenção que utiliza dezenas de agulhas microscópicas para administrar localmente um medicamento. As agulhas são tão finas que não alcançam os nervos, facilitando a administração do medicamento sem dor.

 

Um adesivo de medicamento com microagulha (Crédito da foto: National Health Federation
Wikimedia Commons)

Com vários estudos desse tipo atualmente em andamento, não demorará muito para que nossos medicamentos parem de circular sem rumo em nossa corrente sanguínea. A única grande questão é se podemos tornar essas drogas ‘inteligentes’ tão acessíveis quanto as ‘burras’!

Compartilhar
Gilvan Alves

25 Anos de idade, Técnico em Rede de Computadores, Sempre em busca de aprender algo novo todos os Dias!

Este site usa cookies.