Curiosidades

Como o Aquecimento Global afetará os Seres Humanos?

O aquecimento global terá efeitos negativos a longo prazo na raça humana e também afetará adversamente todas as outras vidas na Terra.

Efeitos do aquecimento global em seres humanos

O fato de o aquecimento global representar uma ameaça ao meio ambiente e à vida selvagem é uma preocupação pública há anos. Menos conhecido é o grau de impacto direto do aquecimento global nos seres humanos em todo o mundo. Foram realizadas pesquisas para explorar o efeito nos sistemas biológicos, ecológicos e geológicos, mas menos pesquisas se concentraram em como os seres humanos são afetados especificamente pelas mudanças climáticas globais.

Alguns dos muitos fatores que influenciam diretamente a vida humana incluem:

  • Clima extremo.
  • Depleção de ozônio.
  • Propagação de doenças infecciosas.
  • Alterações no fornecimento de alimentos e água.

Os seres humanos mais diretamente afetados por esses problemas são aqueles que vivem na pobreza e em comunidades marginalizadas. Não apenas esses indivíduos têm mais probabilidade de sofrer as consequências negativas do aquecimento global, como também têm menos probabilidade de ter os recursos financeiros para lidar com esses problemas.

Como resultado dessas mudanças, a Organização Mundial da Saúde estima que pelo menos 160.000 vidas foram perdidas desde 1950. Outros especialistas, como o Fórum Humanitário Global, acreditam que esse número é muito maior e estimam que mais de 300.000 mortes ocorrem anualmente como resultado de aquecimento global. Além disso, essa organização sugere que a economia global perca cerca de US $ 125 bilhões. Este artigo analisa de perto as ameaças do aquecimento global que os seres humanos enfrentam em todo o mundo.

Impactos na saúde

Os impactos à saúde das mudanças climáticas globais estão divididos em três categorias específicas:

  • Os causados ​​pelas mudanças climáticas nos sistemas ecológicos.
  • Efeitos diretos.
  • Efeitos indiretos.

Os problemas de saúde que resultam de mudanças nos sistemas ecológicos geralmente são efeitos secundários de eventos como mudanças na produção agrícola, produção de ecossistemas costeiros e tamanho da população de mosquitos. Os eventos de aquecimento global que influenciam diretamente a saúde humana incluem: secas, poluição do ar, desastres naturais e ondas de calor. Indiretamente, a saúde humana é afetada por conflitos sobre recursos naturais (particularmente água doce), reassentamento forçado, problemas mentais após a sobrevivência de um desastre e níveis crescentes de pobreza.

À medida que o clima se torna mais quente, os mosquitos portadores de dengue e malária são capazes de se multiplicar rapidamente e infectar milhares de vítimas inocentes. Além disso, os alimentos correm risco de contaminação em climas mais quentes, resultando em aumento da doença diarréica, que muitas vezes mata crianças, principalmente as menores de 5 anos de idade. A produção agrícola também é reduzida, levando ao aumento da desnutrição e até à fome em casos extremos. Além disso, o aumento da temperatura geralmente resulta em aumento de poluentes no ar, o que tem sido associado a asma e outros problemas respiratórios. O aquecimento global também permite a disseminação mais rápida e ampla de doenças infecciosas.

Impactos do assentamento humano

A localização da comunidade também está em risco como resultado do aquecimento global. Isto é particularmente verdade nas regiões costeiras, ameaçadas pelo aumento contínuo do nível do mar. O aumento do nível do mar é particularmente prejudicial em pequenas ilhas, pois as pessoas que vivem nessas áreas não têm alternativas para reassentamento.

Nas comunidades costeiras, os indivíduos mais pobres tendem a viver nas planícies de inundação. Quando as inundações ocorrem devido ao aumento de desastres naturais, como furacões e tsunamis, os indivíduos mais pobres geralmente perdem suas casas. Infelizmente, é menos provável que essas pessoas tenham seguro residencial, contas de poupança ou acesso a crédito para superar os desastres. As estimativas sugerem que milhões de pessoas sofrerão inundações no nível do mar até 2080. Isso afetará desproporcionalmente grandes áreas urbanas. Atualmente, aproximadamente 66% das cidades com mais de 5 milhões de habitantes podem ser encontradas em regiões costeiras baixas.

Segurança climática

Segurança climática é um termo usado para descrever ameaças e insegurança a um país devido aos efeitos das mudanças climáticas. Essas mudanças geralmente pioram uma situação já difícil, o que pode levar à violência e à instabilidade nas relações internacionais. À medida que o aquecimento global continua a causar aumento do nível do mar, padrões climáticos imprevisíveis (como fortes chuvas), seca, desertificação e falta de acesso a fontes de água, os habitantes das regiões mais afetadas provavelmente participarão de migrações ambientais, à procura de casas mais seguras . Espera-se que essas migrações em larga escala provocem conflitos violentos à medida que grupos de pessoas começam a lutar pelo acesso a recursos escassos.

Os pesquisadores já identificaram vários casos em que o aquecimento global e as mudanças climáticas resultaram em conflito. Por exemplo, a Guerra Civil Síria começou depois que aproximadamente 1,5 milhão de pessoas procuraram novas casas por causa da seca e da falha nas colheitas e gado. A Guerra Civil da Somália também foi conectada a ondas de calor e secas extremas. O mesmo se aplica à guerra em Darfur e à insurgência islâmica na Nigéria. Os pesquisadores calcularam que, para cada aumento da temperatura do desvio padrão, há um aumento de 4% na violência interpessoal e um aumento de 14% na violência intergrupal. A história mostra que esse padrão de mudança climática seguido de conflito vem ocorrendo desde antes da era pré-industrial.

Efeito do aquecimento global nas fontes de energia

Assim como o aquecimento global e a mudança climática podem influenciar negativamente o acesso a alimentos e água, também afeta o acesso aos recursos energéticos. As centrais térmicas, que usam energia térmica derivada de combustível fóssil para gerar eletricidade, requerem água doce para o resfriamento. À medida que a água doce se torna mais escassa devido à seca, a demanda se torna mais acentuada. Além disso, à medida que as temperaturas aumentam, as centrais térmicas produzem eletricidade com menos eficiência, o que exige a queima de mais combustíveis fósseis para manter os níveis de produção.

Depósitos de petróleo e gás natural são freqüentemente encontrados fora das áreas costeiras. Ocorrências mais altas de furacões, inundações, ciclones e tempestades tropicais ameaçam a infraestrutura usada para extrair esses recursos. No Golfo do México, após o furacão Katrina, 126 postos de petróleo e gás foram destruídos e outros 183 foram danificados. Essa interrupção na extração geralmente resulta em aumento de preços para os consumidores, o que novamente tem um impacto mais prejudicial sobre as pessoas que vivem na pobreza.

Os mesmos desastres naturais que ameaçam a indústria de petróleo e gás também trabalham contra a energia nuclear. Como a água salgada causa corrosão nas plantas de processamento, a água doce deve ser utilizada. Quando a água doce não está disponível, é provável que ocorram explosões, colapsos nucleares e materiais radioativos vazados. Isso foi observado no desastre nuclear de Fukushima Daiichi, no Japão, após o terremoto e o tsunami de 2011. O aumento da temperatura também forçou outras usinas nucleares a fechar por questões de segurança, como na França em 2003, 2006 e 2009.

Mesmo fontes renováveis ​​de energia, como a hidreletricidade, não estão a salvo dos efeitos do aquecimento global. A hidroeletricidade depende de uma grande quantidade de água doce para atropelar barragens, a fim de movimentar turbinas e produzir energia. Reduções na disponibilidade de água significam também reduções na produção de energia nesses locais. Pesquisas realizadas ao longo do rio Colorado mostraram que um aumento na temperatura de 2 ° Celsius resulta em um declínio de 10% nas chuvas. No Brasil, por exemplo, a produção de energia hidrelétrica deverá diminuir em 7% até o ano 2100, devido ao aquecimento global.

A evidência é clara e não deve ser ignorada. As mudanças climáticas globais e o aquecimento ameaçam a vida de plantas, animais e pessoas. Se governos e indústrias não se unirem em breve para reverter esses efeitos, pode ser tarde demais.

Compartilhar
Gilvan Alves

25 Anos de idade, Técnico em Rede de Computadores, Sempre em busca de aprender algo novo todos os Dias!

Este site usa cookies.