O que é a terapia de Gestalt?

5 meses ago
216 Views
O que é a terapia de Gestalt?

A Gestalt-terapia é notavelmente única em comparação com outras abordagens terapêuticas, pois tem como alvo o “aqui e agora” e o “o que e como”, em vez de tentar refletir sobre eventos passados ​​e encontrar explicações para eles.

A palavra “terapia” é um termo bastante carregado e tem muitas conotações diferentes em todo o mundo. Algumas pessoas veem a terapia como uma ferramenta essencial para sobreviver aos perigos da vida, enquanto outras a consideram invasiva e inútil, despejando seus problemas em um estranho sem enfrentar ou administrar adequadamente os problemas subjacentes.

Independente de qual seja sua terapia pessoal, a maioria das pessoas concordaria que o processo terapêutico está relacionado à auto-exploração, auto-revelação e cura, geralmente conduzido por um terapeuta treinado de um tipo ou outro. Existem muitas filosofias diferentes que orientaram o campo da psicoterapia no século passado, uma das quais é a terapia gestalt, um estilo particularmente único e de vida curta, com alguns remanescentes que ainda podem ser encontrados nas práticas psicoterapêuticas até hoje!

O que é a terapia de Gestalt?

Uma das principais críticas que as pessoas têm com a psicoterapia é a subcorrente que elas precisam “mudar”, e que a psicoterapia de alguma forma as ajudará a alterar seu estado mental ou hábitos e melhorar sua vida. Essa alteração pode acontecer por meio de uma análise de eventos passados, uma dissecação do comportamento em motivações subjacentes e a aplicação da lógica como um meio de superar problemas pessoais, reprimidos ou não.

No entanto, a terapia Gestalt é notavelmente única em comparação com outras abordagens terapêuticas, uma vez que visa o “aqui e agora” e o “o que e como”, em vez de tentar refletir sobre eventos passados ​​e encontrar explicações para eles. A Gestalt-Terapia não está preocupada com a forma como os eventos fizeram você se sentir no passado, nem com o que você pretende fazer no futuro, mas sim como você está se sentindo e lidando com idéias e problemas no momento presente.

Fundamentalmente, esta abordagem baseia-se na ideia de que os seres humanos são constantemente suscetíveis ao seu ambiente e ao contexto em constante mudança de suas vidas. Isso inclui o momento da terapia e a conversa com o terapeuta; é impossível objetivamente separar-se em um dado momento de suas emoções, ou da influência da outra pessoa na sala com você (o terapeuta).

Com isso em mente, a interação entre paciente e terapeuta é voltada para alcançar a autoconsciência no aqui e agora, em vez de tentar se posicionar no passado; essencialmente, por que você iria querer entender quem você “costumava ser” se você não é mais essa pessoa? Ao contrário das abordagens terapêuticas mais tradicionais, a terapia gestáltica não tenta mudar uma pessoa, mas sim ajudá-la a saber quem e o que ela é, com esse conhecimento ajudando-a no caminho do crescimento. A crença é que todos estão na estrada para o auto-aperfeiçoamento, mas ser completamente honesto e presente em sua vida é necessário para continuar nesse caminho.

Ao transferir o foco da terapia para a autoconsciência, em vez de refletir ou manifestar (visualizar algum “eu” alterado no futuro), permite que os pacientes compreendam melhor a ligação imediata entre o corpo físico e o estado mental / emocional. Centrar as sessões de terapia gestáltica no que está acontecendo imediatamente na sala, incluindo pequenas mudanças posturais, mudanças de tom, volume, abertura e outros sintomas de desconforto ou ansiedade, permite que os terapeutas identifiquem melhor as formas de avançar.

Como funciona a terapia da Gestalt?

Agora que você entende algumas das filosofias por trás desse tipo de terapia, é mais fácil entender como a terapia pode ser conduzida. A licença criativa que pode ser aplicada à terapia gestáltica é mais libertadora do que as formas mais tradicionais de terapia, de modo que não existe uma regra rígida sobre como essa terapia deve ser direcionada.

O role-playing é uma prática comum nesse tipo de terapia, pois é um meio mais ativo de trazer o passado para o presente. Role-playing certas cenas ou experiências passadas de um paciente e, em seguida, discutindo como esse comportamento / memória afeta suas emoções no presente, pode fornecer grande insight sobre o progresso que foi feito e onde o estado emocional de alguém atualmente está.

Duas das outras técnicas clássicas da gestalt-terapia são a abordagem da cadeira vazia e a técnica de exagero. No primeiro, um paciente é sentado em frente a uma cadeira vazia e dirigido para manter uma conversa ou arar uma queixa com outra pessoa, seja seu chefe, parceiro, amigo, colega etc. Ao estimular uma conversa em tempo real, é mais fácil observar as emoções, pensamentos e comportamentos de uma pessoa lutando com um conflito interno. Em alguns casos, o paciente até assume o outro papel, da pessoa com quem deseja falar. Isso leva a uma visão mais holística de uma situação, ajudando os pacientes a ver a história inteira de múltiplos ângulos e reconhecendo seu papel (ou mesmo culpa) nela.

A técnica de exagero foca nas observações feitas pelo paciente ou pelo terapeuta quando um assunto está sendo discutido. Se uma característica física – como saltar a perna, tocar o rosto ou evitar contato visual – for notada, o terapeuta encorajará o paciente a exagerar nesse comportamento, aumentando o seu lugar na autoconsciência do paciente. Essa prática ajudará os pacientes a identificar emoções ligadas a alguns desses comportamentos, sejam físicos ou verbais, para que possam se conhecer melhor no futuro e ter uma melhor compreensão de seu estado mental no presente.

Esses são apenas alguns dos exercícios ou técnicas mais básicos da terapia gestáltica, mas seus objetivos subjacentes refletem as intenções mais amplas dessa abordagem terapêutica geral. Ele trabalha para aumentar a autoconsciência, envolvendo e afetando o paciente, em vez de lançar o escritório de terapia como um espaço imparcial e completamente imparcial. Praticantes de gestalt terapia não acreditam que a natureza humana não permite um espaço tão intocado ou seguro, e argumentam que a fachada de um terapeuta não tendencioso deve ser arrancada para que a honestidade e a autoconsciência sejam alcançadas.

Referências:

  1. Associação Americana de Psicologia (APA)
  2. GoodTherapy
  3. Psicologia Hoje
  4. Psicoterapias atuais por Raymond Corsini

Gilvan Alves

22 Anos de idade, Técnico em Rede de Computadores, Sempre em busca de aprender algo novo todos os Dias!

Últimos posts por Gilvan Alves (exibir todos)

Gostou? Comente e Compartilhe com seus Amigos...
Like
Like Love Haha Wow Sad Angry

Comments

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *