Abridores de Olho

Voar em aviões nos expõe ao risco de radiação cósmica?

Viajar de avião nos dias de hoje é muito comum, esteja você voando para uma reunião de negócios importante ou apenas uma viagem de lazer para um local de férias. No entanto, os passageiros freqüentes muitas vezes desconhecem os perigos da radiação cósmica que surgem de estrelas em colisão, supernovas e outros fenômenos cosmológicos que se tornam muito mais comuns à medida que os voadores sobem a quilômetros e quilômetros acima da Terra.

(Crédito da foto: Pxhere)

Radiação Cósmica

Partículas de alta e baixa energia (geralmente feitas de prótons e núcleos de hélio) do sol (radiação solar) e outros fenômenos cosmológicos (radiação galáctica) estão constantemente bombardeando a Terra. Coletivamente, essas formas de radiação são chamadas de radiação cósmica. Millisieverts é a unidade usada para medir a radiação cósmica absorvida pelos seres humanos.

Felizmente, a maior parte da radiação cósmica é absorvida ou desviada pela atmosfera da Terra. No entanto, como as dinâmicas de altitude e latitude são alteradas quando voamos acima da Terra, a resistência oferecida pela atmosfera à radiação cósmica diminui.

Quando você viaja em um avião em grandes altitudes, não consegue ver essas partículas radiadas altamente carregadas, mas a qualquer momento, milhares delas estão se lançando pelo espaço e podem se chocar com a atmosfera da Terra.

Outro risco de radiação associado a voar alto acima do nível do mar em um avião é a exposição a explosões energéticas ocasionais do sol. Essa radiação inclui a exposição a raios X e raios gama provenientes de explosões solares e escudos potenciais de prótons de alta energia. A atmosfera da Terra e o campo magnético nos protegem e a outros organismos vivos da maioria desses raios nocivos.

Os astronautas enfrentam o risco mais extremo, já que eles viajam completamente para longe da atmosfera da Terra e estão completamente sem sua proteção protetora. Assim, eles são obrigados a receber altas doses de radiação cósmica. O comprimento máximo dos vôos espaciais tripulados é freqüentemente limitado, devido à quantidade de radiação que os astronautas provavelmente absorvem. Um vôo espacial prolongado aumenta uma série de riscos para a saúde, como câncer e problemas cardíacos, quando eles voltam para casa.

Lua astronauta satélite frente astronomia (crédito da foto: Maxpixel)

De fato, a exposição à radiação é também um grande desafio para o empreendedor ambicioso Elon Musk antes que ele possa realizar seu sonho de colonizar Marte. Como a atmosfera marciana é muito fina, é provável que uma estadia prolongada se torne fatal devido à alta exposição à radiação cósmica.

Três fatores que afetam a radiação

Agora que você sabe que viajar em um avião o expõe a baixos níveis de radiação cósmica, vamos agora examinar três fatores importantes que controlam a dosagem ou a intensidade dessa radiação.

1. Duração do Vôo

Quanto mais tempo você estiver em um voo, maior a dose de radiação cósmica exposta. Você será exposto a aproximadamente 0,03 millisieverts de radiação cósmica se voar de Washington para Los Angeles. Esta quantidade de radiação é menor que a radiação a que você estaria exposto quando submetida a uma radiografia de tórax.

2. Altitude

A altitude é o segundo fator decisivo importante para a exposição à radiação cósmica. Altitude é a medida da altura do nível do mar. Quanto mais alto você for, como é o caso de voar em um avião, a dosagem da radiação cósmica aumenta. Isso ocorre porque, à medida que avançamos mais, o ar se torna mais fino, então sua capacidade de proteger a radiação cósmica através da deflexão diminui substancialmente.

3. Latitude

A latitude é outro parâmetro importante que afeta a dosagem da radiação cósmica. Latitude é a distância (angular) do equador da Terra. Quanto mais ao norte ou ao sul você estiver no equador, mais radiação você provavelmente receberá. Esta disparidade de dosagem de radiação é devida ao campo magnético da Terra. No equador, o campo magnético da Terra desvia a radiação cósmica do equador para os pólos norte e sul.

Aviação – um negócio arriscado

A Administração Federal de Aviação classificou pilotos e comissários de bordo como trabalhadores de radiação desde o início dos anos 90. Surpreendentemente, um relatório publicado pelo Conselho Nacional de Medidas e Proteção contra Radiação observou que as tripulações recebem a maior dose anual de radiação, o que significa que as tripulações aéreas são mais suscetíveis à radiação do que os trabalhadores em reatores nucleares!

Logotipo da Administração Federal de Aviação (Crédito da Foto: Governo dos EUA / Wikimedia Commons)

Riscos à saúde associados à radiação cósmica

Alguns pesquisadores tentaram estabelecer uma ligação entre a radiação cósmica e os problemas de saúde, especialmente o câncer. No entanto, tentativas de ligar doses de radiação ionizante a riscos de saúde demonstráveis ​​não são simples e diretas.

Um grupo de pesquisadores escandinavos realizou um intenso estudo durante 17 anos sobre milhares de pilotos do sexo masculino para estabelecer uma ligação entre a radiação e doenças de saúde. O estudo descobriu que o risco de desenvolver câncer de próstata e melanoma foi aumentado devido à sua extensa e prolongada exposição. No entanto, Cancer Research UK, uma organização de caridade especializada em pesquisa e conscientização do câncer, opinou que o câncer pode estar relacionado a outros fatores de estilo de vida, como os pilotos tomando sol com mais frequência do que a média das pessoas, devido a seus horários de trabalho / viagem.

Da mesma forma, um grupo de pesquisadores italianos estudou os riscos à saúde da exposição à radiação cósmica em tripulantes de vôo. O estudo descobriu que o risco de desenvolver câncer de mama e melanomas era maior em mulheres que trabalhavam em aviões com mais freqüência, mas os pesquisadores também admitiram que não podem dizer com certeza se esse risco aumentado se deve apenas à exposição à radiação cósmica.

Limites Seguros

Não há limite padrão de radiação cósmica admissível; o nível padrão varia entre os países. De acordo com a organização profissional científica sem fins lucrativos Health Physics Society, especializada em segurança radiológica, um viajante que gaste mais de 5000 horas no ar a cada ano corre um risco considerável de exposição à radiação cósmica. A Health Physics Society aconselha que a exposição à radiação cósmica deve ser inferior a 50 millisieverts em uma base anual e abaixo de 100 millisieverts ao longo da vida.

Referências:

Compartilhar
Gilvan Alves

25 Anos de idade, Técnico em Rede de Computadores, Sempre em busca de aprender algo novo todos os Dias!

Este site usa cookies.