Religião

Livros do Apocalipse no islã

Os muçulmanos acreditam que Deus (Allah) enviou orientação através de Seus profetas e mensageiros. Entre eles, vários também trouxeram livros de revelação. Os muçulmanos, portanto, acreditam no Evangelho de Jesus, nos Salmos de Davi, na Torá de Moisés e nos Manuscritos de Abraão. No entanto, o Alcorão  que foi revelado ao Profeta Muhammad é o único livro de revelação que permanece em sua forma completa e inalterada.

Alcorão

David Silverman / Getty Images David Silverman / Getty Images

O livro sagrado do Islã é chamado o Alcorão . Foi revelado em árabe ao profeta Maomé no século VII dC O Alcorão foi compilado durante a vida do profeta Maomé e permanece em sua forma original. O Alcorão contém 114 capítulos de duração variável, com temas intercalados que descrevem a natureza de Deus, orientação para a vida diária, histórias da história e suas mensagens morais, inspiração para os crentes e avisos para descrentes.

Evangelho de Jesus (Injeel)

Uma página iluminada do Evangelho de São Lucas, datada de 695 dC, os muçulmanos acreditam que o Injeel (Evangelho) não é o mesmo que a versão impressa hoje. Arquivo Hulton / Getty Images

Os muçulmanos acreditam que Jesus seja um profeta honrado de Deus. Sua língua nativa era siríaco ou aramaico, e a revelação dada a Jesus foi transmitida e compartilhada entre seus discípulos oralmente. Os muçulmanos acreditam que Jesus pregou ao seu povo sobre o monoteísmo (a Unicidade de Deus) e como viver uma vida justa. A revelação dada a Jesus por Allah é conhecida entre os muçulmanos como Injeel  (Evangelho).

Os muçulmanos acreditam que a mensagem pura de Jesus foi perdida, misturada com as interpretações de outros sobre sua vida e ensinamentos. A Bíblia atual tem uma cadeia de transmissão pouco clara e nenhuma autoria comprovada. Os muçulmanos acreditam que apenas as palavras reais de Jesus foram “divinamente inspiradas”, mas não foram preservadas por escrito.

Salmos de Davi (Zabur)

Um livro de Salmos em tamanho de bolso, que remonta ao século 11, foi exibido na Escócia em 2009. Jeff J Mitchell / Getty Images

O Alcorão menciona que a revelação foi dada ao Profeta Dawud (Davi): “… e nós preferimos alguns dos profetas acima de outros, e a Davi Nós demos os Salmos” (17:55). Não se sabe muito sobre esta revelação, mas a tradição muçulmana confirma que os Salmos foram recitados muito como poesia ou hinos. A palavra árabe “zabur” vem de uma palavra raiz que significa música ou música. Os muçulmanos acreditam que todos os profetas de Allah trouxeram essencialmente a mesma mensagem, portanto, entende-se que os Salmos também contêm louvores a Deus, ensinamentos sobre o monoteísmo e orientação para uma vida justa.

Torá de Moisés (Tawrat)

Um pergaminho dos Rolos do Mar Morto é exibido em dezembro de 2011 na cidade de Nova York. Spencer Platt / Getty Images

Tawrat (Torá) foi dado ao Profeta Musa (Moisés). Como toda revelação, incluía ensinamentos sobre o monoteísmo, a vida justa e a lei religiosa.

O Alcorão diz: “É Ele quem enviou a você, na verdade, o Livro, confirmando o que aconteceu antes dele. E Ele enviou a Lei [de Moisés] e o Evangelho [de Jesus] antes disso, como um guia para a humanidade. E Ele enviou o critério [de julgamento entre o certo e o errado] ”(3: 3)

O texto exato do Tawrat geralmente corresponde aos cinco primeiros livros da Bíblia judaica. Muitos estudiosos da Bíblia admitem, no entanto, que a versão atual da Torá foi escrita por vários autores ao longo de vários séculos. As palavras exatas da revelação para Moisés não são preservadas.

Pergaminhos de Abraão (Suhuf)

O Alcorão menciona uma revelação chamada Suhuf Ibrahim , ou os Pergaminhos de Abraão . Eles foram supostamente escritos pelo próprio Ibrahim, assim como seus escribas e seguidores. Este livro sagrado é considerado perdido para sempre, não devido à sabotagem deliberada, mas apenas devido à passagem do tempo. O Alcorão refere-se aos pergaminhos de Abraão várias vezes, incluindo este verso: “Certamente isto está nas escrituras anteriores, os livros de Abraão e Moisés” (87: 18-19).

Por que não um único livro?

O próprio Alcorão responde a esta pergunta: “Nós lhes enviamos a Escritura [o Alcorão] na verdade, confirmando a escritura que veio antes dela e a guardando em segurança. Então julgue entre eles pelo que Allah revelou, e não siga seus desejos vãos, divergindo da Verdade que veio até você. A cada um entre vós prescrevemos uma lei e um caminho aberto. Se Alá quisesse, Ele faria de você um povo único, mas [Seu plano é] testá-lo no que Ele lhe deu; esforce-se tanto quanto numa corrida em todas as virtudes. O objetivo de todos vocês é para Allah. É Ele que te mostrará a verdade dos assuntos em que você disputa ”(5:48).

Compartilhar
Gilvan Alves

25 Anos de idade, Técnico em Rede de Computadores, Sempre em busca de aprender algo novo todos os Dias!

Este site usa cookies.