Comportamento

O que faz uma vida Significativa?

Antes de abordarmos a “vida significativa”, vamos primeiro olhar para o momento significativo, semana ou mês, pois é o acúmulo desses que fazem uma boa vida. Frederick Buechner escreveu: “O lugar para onde Deus chama você é o lugar onde sua profunda satisfação e a profunda fome do mundo se encontram”. Coloque isso em minha própria linguagem secular: o significado vem nos momentos em que você se relaciona com o mundo de uma forma que ambos refletem seus talentos alegremente usados ​​e os problemas do mundo que lhe dizem respeito.

Esta última parte – sobre os problemas mundiais – é cada vez mais importante à medida que mais e mais de nós são incomodados pela consciência de nossas crises planetárias – da aceleração da mudança climática ao racismo endêmico e à guerra perpétua. A situação mundial não é boa, nós vemos, e nos sentimos cada vez mais sem sentido quando não nos relacionamos corretamente com esse fato, tentando ajudar.

Isso significa que todos nós temos que ir em marchas ou mudar nossas carreiras para o trabalho social ou dar o nosso dinheiro? Não. Mas alguns de nós fazemos – aqueles de nós para quem essas ações estão de acordo com nossas preferências e talentos. O resto de nós, se estamos à procura de significado, deve encontrar outras maneiras de ajudar com problemas mundiais que estejam alinhados com a nossa “mais profunda alegria” e que nos satisfaçam quando os fizermos.

Se você gosta de tocar violão, momentos em que você faz música de alguma forma que ajuda com nossas crises mundiais lhe darão um significado transcendente. Se você ama a ciência, os momentos em que seu cérebro racional se transforma em resolver um desafio comunitário premente lhe darão fortes sentimentos de propósito. Procurar oportunidades como essas pode nos trazer momentos significativos, meses e até mesmo anos.

Mas, uma vez que, como dissemos, o que é significativo para cada um de nós muda, essas escolhas individuais acabarão por parecer menos significativas. Eles não podem tornar o todo de nossas vidas significativo. Para citar o grande psicólogo humanista Carl Rogers: A boa vida não é “um estado de virtude, ou contentamento, ou nirvana ou felicidade. A boa vida é um processo, não um estado de ser. É uma direção e não um destino.

O que faz uma vida significativa, então, é ter a flexibilidade de caráter e circunstância para constantemente se comprometer com essa direção à medida que ela muda, mesmo quando isso significa, às vezes, deixar velhas situações que não ajudam mais você e os outros.

A compra de uma casa de luxo lhe dará liberdade para seguir sua direção ou amarrá-lo? A dívida do estudante o ligará a uma carreira da qual você pode crescer? Isso não quer dizer que você não possa perseguir essas coisas. É para dizer que você deve estar ciente dos perigos em tais escolhas.

O significado não vem de ter as posses certas ou o emprego certo. O significado vem da sua capacidade de usar essas circunstâncias e as partes da sua personalidade que você preza no serviço daquilo que lhe interessa no mundo.

O que faz uma vida significativa, então, é a flexibilidade que nos permite relacionar constantemente de forma significativa nossas personalidades em mudança às nossas preocupações mundiais em mudança. Como posso usar as partes de mim que mais amo usar (minhas preferências) a serviço das coisas do mundo que mais me interessam (minha situação)? Ou, em termos mais simples, a vida significativa é construída com base na premissa de que seu principal compromisso é seguir a resposta variável a essa pergunta simples: como posso ajudar?

Compartilhar
Gilvan Alves

23 Anos de idade, Técnico em Rede de Computadores, Sempre em busca de aprender algo novo todos os Dias!

Este site usa cookies.